About

Company Profile

aboutAliquam dapibus tincidunt metus. Praesent justo dolor,
lobortis quis, lobortis dignissim, pulvinar ac, lorem.
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum molestie lacus. Aenean nonummy hendrerit mauris. Phasellus porta. Fusce suscipit varius mi. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Nulla dui. Fusce feugiat malesuada odio. Morbi nunc odio, gravida at, cursus nec, luctus a, lorem. Maecenas tristique orci ac sem. Duis ultricies pharetra magna. Donec accumsan malesuada orci.
Donec sit amet eros. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Mauris fermentum dictum magna. Sed laoreet aliquam leo. Ut tellus dolor, dapibus eget, elementum vel, cursus eleifend, elit.

Management Team

  • Marta Healy

    Nulla facilisi. Aenean nec eros. Vestibulum ante ipsum primis in faucibu. Suspendisse congue 1986 viverra nunc sed ultrices. Aliquam erat volutpat. Sed feugiat semper elit nec euismod. Cras pretium ultricies adipiscing. Etiam id dolor ligula. Sed feugiat pretium scelerisque. Vestibulum porta nisi in purus egestas vehicula. Mauris ligula dolor, facilisis vel varius sit amet, fringilla at augue. Duis rutrum 1994 elementum sem a venenatis. Aenean justo neque, auctor eu semper eget, sollicitudin in diam. Mauris mattis porta quam, id placerat tortor venenatis ac. In in tincidunt leo. In 1998 morbi ullamcorper ullamcorper turpis at ornare. Maecenas quam erat, tempus et pulvinar accumsan, molestie vitae nisi. Vivamus dui sem, ultricies eget vehicula sed, gravida sed augue. In 2001 pellentesque habitant morbi tristique "SEO" et malesuada fames ac turpis egestas. Donec eget turpis non nunc dignissim viverra. Nulla tincidunt purus in mi pellentesque sit amet condimentum lectus gravida. Fusce non tellus nibh. Donec nec ipsum leo, nec pretium dolor. Aliquam pellentesque fermentum nunc, eu vestibulum felis vulputate ac. Sed quis lacus tortor. Integer hendrerit ligula quis sem interdum vestibulum faucibus nulla tempor. Duis at erat dui, id 2010 fringilla dui. Suspendisse potenti. Mauris in laoreet urna. Michael Freeman is on Twitter, Facebook and LinkedIn

  • John Anderson

    Nulla facilisi. Aenean nec eros. Vestibulum ante ipsum primis in faucibu. Suspendisse congue 1986 viverra nunc sed ultrices. Aliquam erat volutpat. Sed feugiat semper elit nec euismod. Cras pretium ultricies adipiscing. Etiam id dolor ligula. Sed feugiat pretium scelerisque. Vestibulum porta nisi in purus egestas vehicula. Mauris ligula dolor, facilisis vel varius sit amet, fringilla at augue. Duis rutrum 1994 elementum sem a venenatis. Aenean justo neque, auctor eu semper eget, sollicitudin in diam. Mauris mattis porta quam, id placerat tortor venenatis ac. In in tincidunt leo. In 1998 morbi ullamcorper ullamcorper turpis at ornare. Maecenas quam erat, tempus et pulvinar accumsan, molestie vitae nisi. Vivamus dui sem, ultricies eget vehicula sed, gravida sed augue. In 2001 pellentesque habitant morbi tristique "SEO" et malesuada fames ac turpis egestas. Donec eget turpis non nunc dignissim viverra. Nulla tincidunt purus in mi pellentesque sit amet condimentum lectus gravida. Fusce non tellus nibh. Donec nec ipsum leo, nec pretium dolor. Aliquam pellentesque fermentum nunc, eu vestibulum felis vulputate ac. Sed quis lacus tortor. Integer hendrerit ligula quis sem interdum vestibulum faucibus nulla tempor. Duis at erat dui, id 2010 fringilla dui. Suspendisse potenti. Mauris in laoreet urna. Michael Freeman is on Twitter, Facebook and LinkedIn

  • John Franklin

    Nulla facilisi. Aenean nec eros. Vestibulum ante ipsum primis in faucibu. Suspendisse congue 1986 viverra nunc sed ultrices. Aliquam erat volutpat. Sed feugiat semper elit nec euismod. Cras pretium ultricies adipiscing. Etiam id dolor ligula. Sed feugiat pretium scelerisque. Vestibulum porta nisi in purus egestas vehicula. Mauris ligula dolor, facilisis vel varius sit amet, fringilla at augue. Duis rutrum 1994 elementum sem a venenatis. Aenean justo neque, auctor eu semper eget, sollicitudin in diam. Mauris mattis porta quam, id placerat tortor venenatis ac. In in tincidunt leo. In 1998 morbi ullamcorper ullamcorper turpis at ornare. Maecenas quam erat, tempus et pulvinar accumsan, molestie vitae nisi. Vivamus dui sem, ultricies eget vehicula sed, gravida sed augue. In 2001 pellentesque habitant morbi tristique "SEO" et malesuada fames ac turpis egestas. Donec eget turpis non nunc dignissim viverra. Nulla tincidunt purus in mi pellentesque sit amet condimentum lectus gravida. Fusce non tellus nibh. Donec nec ipsum leo, nec pretium dolor. Aliquam pellentesque fermentum nunc, eu vestibulum felis vulputate ac. Sed quis lacus tortor. Integer hendrerit ligula quis sem interdum vestibulum faucibus nulla tempor. Duis at erat dui, id 2010 fringilla dui. Suspendisse potenti. Mauris in laoreet urna. Adriana Spelling is on Twitter, Facebook and LinkedIn

  • Inga North

    Nulla facilisi. Aenean nec eros. Vestibulum ante ipsum primis in faucibu. Suspendisse congue 1986 viverra nunc sed ultrices. Aliquam erat volutpat. Sed feugiat semper elit nec euismod. Cras pretium ultricies adipiscing. Etiam id dolor ligula. Sed feugiat pretium scelerisque. Vestibulum porta nisi in purus egestas vehicula. Mauris ligula dolor, facilisis vel varius sit amet, fringilla at augue. Duis rutrum 1994 elementum sem a venenatis. Aenean justo neque, auctor eu semper eget, sollicitudin in diam. Mauris mattis porta quam, id placerat tortor venenatis ac. In in tincidunt leo. In 1998 morbi ullamcorper ullamcorper turpis at ornare. Maecenas quam erat, tempus et pulvinar accumsan, molestie vitae nisi. Vivamus dui sem, ultricies eget vehicula sed, gravida sed augue. In 2001 pellentesque habitant morbi tristique "SEO" et malesuada fames ac turpis egestas. Donec eget turpis non nunc dignissim viverra. Nulla tincidunt purus in mi pellentesque sit amet condimentum lectus gravida. Fusce non tellus nibh. Donec nec ipsum leo, nec pretium dolor. Aliquam pellentesque fermentum nunc, eu vestibulum felis vulputate ac. Sed quis lacus tortor. Integer hendrerit ligula quis sem interdum vestibulum faucibus nulla tempor. Duis at erat dui, id 2010 fringilla dui. Suspendisse potenti. Mauris in laoreet urna. Jessica Right is on Twitter, Facebook and LinkedIn

  • Jessica Priston

    Nulla facilisi. Aenean nec eros. Vestibulum ante ipsum primis in faucibu. Suspendisse congue 1986 viverra nunc sed ultrices. Aliquam erat volutpat. Sed feugiat semper elit nec euismod. Cras pretium ultricies adipiscing. Etiam id dolor ligula. Sed feugiat pretium scelerisque. Vestibulum porta nisi in purus egestas vehicula. Mauris ligula dolor, facilisis vel varius sit amet, fringilla at augue. Duis rutrum 1994 elementum sem a venenatis. Aenean justo neque, auctor eu semper eget, sollicitudin in diam. Mauris mattis porta quam, id placerat tortor venenatis ac. In in tincidunt leo. In 1998 morbi ullamcorper ullamcorper turpis at ornare. Maecenas quam erat, tempus et pulvinar accumsan, molestie vitae nisi. Vivamus dui sem, ultricies eget vehicula sed, gravida sed augue. In 2001 pellentesque habitant morbi tristique "SEO" et malesuada fames ac turpis egestas. Donec eget turpis non nunc dignissim viverra. Nulla tincidunt purus in mi pellentesque sit amet condimentum lectus gravida. Fusce non tellus nibh. Donec nec ipsum leo, nec pretium dolor. Aliquam pellentesque fermentum nunc, eu vestibulum felis vulputate ac. Sed quis lacus tortor. Integer hendrerit ligula quis sem interdum vestibulum faucibus nulla tempor. Duis at erat dui, id 2010 fringilla dui. Suspendisse potenti. Mauris in laoreet urna. Alan Smith is on Twitter, Facebook and LinkedIn

  • Patrick Pool

    Nulla facilisi. Aenean nec eros. Vestibulum ante ipsum primis in faucibu. Suspendisse congue 1986 viverra nunc sed ultrices. Aliquam erat volutpat. Sed feugiat semper elit nec euismod. Cras pretium ultricies adipiscing. Etiam id dolor ligula. Sed feugiat pretium scelerisque. Vestibulum porta nisi in purus egestas vehicula. Mauris ligula dolor, facilisis vel varius sit amet, fringilla at augue. Duis rutrum 1994 elementum sem a venenatis. Aenean justo neque, auctor eu semper eget, sollicitudin in diam. Mauris mattis porta quam, id placerat tortor venenatis ac. In in tincidunt leo. In 1998 morbi ullamcorper ullamcorper turpis at ornare. Maecenas quam erat, tempus et pulvinar accumsan, molestie vitae nisi. Vivamus dui sem, ultricies eget vehicula sed, gravida sed augue. In 2001 pellentesque habitant morbi tristique "SEO" et malesuada fames ac turpis egestas. Donec eget turpis non nunc dignissim viverra. Nulla tincidunt purus in mi pellentesque sit amet condimentum lectus gravida. Fusce non tellus nibh. Donec nec ipsum leo, nec pretium dolor. Aliquam pellentesque fermentum nunc, eu vestibulum felis vulputate ac. Sed quis lacus tortor. Integer hendrerit ligula quis sem interdum vestibulum faucibus nulla tempor. Duis at erat dui, id 2010 fringilla dui. Suspendisse potenti. Mauris in laoreet urna. Lisa White is on Twitter, Facebook and LinkedIn

What’s New?

  • Síndrome da cabana: isolamento pode causar medo excessivo de sair de casa

    "Estou 100% pronta pra não sair de casa até agosto", diz a jornalista mineira Lucila Longo. Na semana passada, ela precisou deixar o apartamento onde mora com seus dois gatos, no bairro do Brooklin, zona sul de São Paulo, para ir por algumas horas a uma consulta de rotina. A tarefa deveria ser algo simples, mas a experiência gerou um estresse enorme para ela. "Esse dia que eu saí para ir ao médico foi horrível para mim. Entrei no carro já desesperada, carregando álcool em gel, máscara, prendi o cabelo. Olhava as pessoas nas ruas levando vida normal, conversando no bar, como se nada estivesse acontecendo. Era desesperador", conta ela. Talvez você tenha se identificado um pouco com essa situação pela qual a jornalista de 34 anos passou porque, ao contrário do que possa parecer, nem todo mundo está confortável com a diminuição nas restrições de isolamento por causa da pandemia de Covid-19 no Brasil. Recentemente, o país ultrapassou a marca de 70 mil mortes e mais de 1 milhão e 800 mil pessoas infectadas com o novo coronavírus. Por isso, a atual situação pode, sim, ser um gatilho para criar medo na hora de começar a sair de casa. É nesse momento que a chamada Síndrome da Cabana tem chances de se manifestar. Esse quadro pode começar com uma ansiedade excessiva gerada pela necessidade de sair do ambiente doméstico para fazer tarefas diárias e, principalmente, para se relacionar com outras pessoas apos esse longo tempo de isolamento ao qual muita gente se submeteu desde a metade de março deste ano. Além dessa ansiedade e desse medo exacerbado, outros comportamentos podem indicar que há algo mais de errado, como explica Luiz Scocca, psiquiatra e membro da APA (Associação Americana de Psiquiatria): "Quando a pessoa começa a apresentar sintomas da Síndrome da Cabana, há uma série de modificações na produção de hormônios do corpo. É muito comum, por exemplo, a alteração nos ciclos de sono e de vigília. Acontece também um aumento no gosto por alimentos mais gordurosos, mais prazerosos, suculentos, com bastante carboidrato", diz ele. "Além dessas alterações, vale perceber se os poucos compromissos que se têm fora de casa, neste período de desconfinamento, passaram a se tornar um verdadeiro fardo. Como identificar o problema A Síndrome da Cabana está diretamente ligada à experiência do ser humano ficar longos períodos de tempo em isolamento social. Para alguns indivíduos, esse tipo de acontecimento pode ser um gatilho. "O termo foi descrito, à princípio, lá no começo dos anos 1900, em função de gente que ia para lugares remotos para caçar e, por isso, ficava isolado por longos períodos vivendo afastado", conta Wimer Bottura, médico psiquiatra presidente da ABMP (Associação Brasileira de Medicina Psicossomática) e membro do grupo de professores da cadeira de Psicologia Médica da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). Quando retornavam ao convívio social, essas pessoas algumas vezes não conseguiam retomar a rotina e desenvolviam uma fobia de sair do ambiente doméstico e de se relacionar com os outros. "Atualmente, este termo está sendo utilizado como uma transformação do conceito por conta do isolamento causado pela covid-19", diz Bottura. Isso não significa, porém, que qualquer desconforto com a ideia de sair de casa nesse momento se enquadre na Síndrome da Cabana. O diagnóstico correto só pode ser feito por especialistas, já que a síndrome não é classificada como um transtorno mental. Ela pode ser um precursor ou o primeiro conjunto de sinais para alertar sobre algo. "Se o medo mais intenso começar a aparecer, é extremamente importante a pessoa procurar ajuda de um psicólogo para entender melhor o que está ocorrendo e, assim, buscar um tratamento adequado", alerta Yuri Busin, psicólogo e diretor do CASME (Centro de Atenção à Saúde Mental - Equilíbrio). Já de acordo com Bottura, também é importante perceber como andam as suas conexões com outras pessoas, mesmo que à distância por causa da pandemia: "Se eu prefiro me relacionar com animais em vez de pessoas, então preciso fazer uma pausa, olhar para mim, saber o que está acontecendo. Não há nada de errado com os bichos, mas o humano é o único ser que precisa de outro igual a ele para sobreviver desde o seu nascimento. Aliás, não só para sobreviver, como para definir a sua identidade. Se eu prefiro o isolamento, ficar conversando com o espelho, há sinais de alguma crença de ser incompreendido ou injustiçado, algo que precisa ser tratado", diz o médico. Como evitar a síndrome da cabana Como muitas situações que envolvem a saúde mental, prevenir ainda é a melhor forma de tratar a Síndrome da Cabana. "Estabeleça uma rotina diária, de trocar de roupa, tomar banho, fazer leituras e exercícios físicos. A atividade física, aliás, é o mais importante na prevenção de várias doenças, inclusive a depressão e os transtornos ansiosos. Coisas mais simples, como abrir a janela e ter contato com a luz do dia, do sol, já fazem diferença. Também vale se inscrever em um curso online sobre algo que você goste ou contatar mais os amigos", diz Scocca. Não há um tratamento específico neste caso, mas algumas medidas podem ser tomadas. A primeira delas é entender que a nossa saúde mental necessita de cuidado e atenção, bem como boa parte dos afazeres diários. "As pessoas podem ter muitos medos diferentes na atualidade, nossa geração nunca lidou com uma situação como essa da pandemia de covid-19. Por isso, é muito relevante o papel de psicólogos e psiquiatras para ajudar as pessoas a entenderem melhor com essas novas dinâmicas de vida", afirma o psicólogo Yuri Busin. "Pessoas que já lidam com depressão e transtorno de ansiedade têm naturalmente uma tendência de ficarem mais isoladas, então é preciso tomar cuidado. A solidão não é boa conselheira", reforça do psiquiatra Wimer Bottura. Até porque, para o psiquiatra, o cenário geral é preocupante. No entanto, dá para usar o momento para valorizar questões que andavam em segundo plano: "se podemos tirar alguma coisa de positivo - já que fomos obrigados ao isolamento -, é a revalorização dessa convivência em família, dos pais voltarem a ser pais, das famílias se reunirem, se organizarem para cuidar da casa", reflete. Ele ainda aponta que podemos repensar questões na nossa vida: "as conquistas tecnológicas nos permitem ficar distante do escritório e, ainda assim, produzir algo de qualidade. Talvez aquele sonho de morar em uma outra cidade, sabe? Viver com muito mais saúde mental, qualidade de vida, mais barato, diminuindo a poluição e o estresse". Fonte

    More
  • Coronavírus: faz sentido buscar atendimento médico aos primeiros sintomas?

    Em uma coletiva de imprensa no dia 9 de julho, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, afirmou: “Adotamos uma nova orientação de casos de Covid-19, mudando a estratégia do ‘fique em casa’ para ‘procure um profissional de saúde’, mesmo que o sintoma seja leve”. Dito de outra forma, todo brasileiro que começar a manifestar sintomas como tosse, espirro, coriza, dor de cabeça, febre baixa e alterações intestinais — que sugerem a presença do novo coronavírus (Sars-CoV-2) — deveria procurar atendimento médico. Antes, a proposta era permanecer completamente isolado em casa e visitar um ambulatório apenas se o quadro se agravasse (com piora da febre ou surgimento de falta de ar, dor no peito, dificuldade para se movimentar, tontura etc). De acordo com o Ministério da Saúde, o SUS agora está preparado para lidar com a demanda extra. “Nós aprendemos que, ao aguardar em casa, os pacientes chegam aos hospitais em quadros clínicos mais agravados. O tratamento precoce evita a piora do paciente e diminui a necessidade de respiradores”, argumentou Elcio Franco. Mas o fato é que não há tratamentos farmacológicos comprovadamente eficazes para os casos leves do novo coronavírus. “Do ponto de vista de conduta médica, não há o que fazer. Até agora não existe nenhum tratamento que evite a progressão para a forma grave da Covid-19”, afirma o pneumologista Frederico Fernandes, presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT). Ancorado nas melhores pesquisas científicas disponíveis, um informe recente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) aponta que nenhum medicamento se mostrou capaz de ajudar pacientes com sintomas iniciais do novo coronavírus até o momento. Cabe destacar que o Ministério da Saúde defende o tratamento precoce com hidroxicloroquina e azitromicina — mas não apresenta pesquisas rigorosas que atestem a eficiência do método. Já um estudo publicado no periódico científico The New England Journal of Medicine indica que o uso preventivo em pacientes com alto risco de exposição ao Sars-CoV-2 não trouxe benefícios. E esses fármacos podem acarretar efeitos colaterais, como arritmia cardíaca. A pneumologista Letícia Kawano-Dourado, do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, também não vê sentido na decisão do Ministério da Saúde de orientar os brasileiros com sintomas leves irem para postos de saúde. Ela faz parte do comitê diretivo da Coalizão Covid Brasil, um consórcio de hospitais nacionais que vêm estudando diferentes remédios contra o novo coronavírus. “Se, por exemplo, o resultado de algum dos nossos trabalhos mostrar que um medicamento específico ajuda a evitar a progressão de um caso leve para um mais grave, aí é possível pensar em pedir para um paciente com sintoma iniciais ir para o hospital”, afirma. “Mas no momento não temos embasamento para uma decisão dessas, que também traz riscos”, completa. De acordo com ela, pedir para todo indivíduo que está tossindo ou espirrando ir para o hospital pode culminar em aumento no número de casos de coronavírus — e de outras infecções que circulam principalmente no inverno. Na população geral, estima-se que cerca de 85% dos casos de Covid-19 são solucionados sem necessidade de internação. “Se uma pessoa com quaisquer sinais suspeitos estiver com uma dúvida, ela pode tentar resolvê-la com uma ligação ou via telemedicina”, afirma Letíca. O próprio SUS disponibiliza esse tipo de atendimento virtual. Apesar da determinação do Ministério da Saúde não ser respaldada em evidências científicas, isso não significa que sujeitos sintomáticos devem ficar em casa a qualquer custo. Os médicos são unânimes em afirmar que falta de ar, dor no peito, piora da febre e outros sinais mais graves exigem uma ida ao hospital. Letícia dá dicas importantes para ficar de olho: “Se os sintomas não melhorarem em cinco a sete dias, vale buscar atendimento. Quanto ao fôlego, sugiro que a pessoa caminhe um pouco em casa mesmo ou levante algum objeto para ver se fica sem ar. A falta de fôlego é um indicativo importante”, avisa. Em resumo, manter contato com profissionais de saúde é sempre positivo, especialmente se você pertencer a algum grupo de risco. Mesmo à distância, eles podem acompanhar a sua evolução de maneira detalhada. Entretanto, isso é diferente de pedir para alguém que está com um pouco de febre e coriza visitar um centro onde mais pessoas podem estar infectadas, sem ter à disposição um tratamento comprovadamente benéfico para episódios leves. Fonte

    More
  • Julho Amarelo: prevenção contra as hepatites virais

    Julho é o mês da conscientização da prevenção contra as hepatites virais. Segundo o Ministério da Saúde, milhões de brasileiros são portadores do vírus das hepatites B e C e não sabem, correndo o risco de evoluírem para a doença crônica, cujas consequências mais graves são a ocorrência de cirrose ou câncer hepático. A hepatite é a inflamação do fígado. Nem sempre apresenta sintomas, mas os mais comuns são olhos e pele amarelados, cansaço, febre, mal-estar, tontura, vômito, dor abdominal, urina escura e fezes claras. Os tipos mais comuns são causados pelos vírus A, B e C. A vacina é uma forma de prevenção contra as hepatites dos tipos A e B. Quem se vacina para o tipo B está protegido contra a hepatite D. Para os demais tipos, o tratamento deve ser indicado pelo médico. As principais medidas de prevenção para as hepatites virais de transmissão sanguínea e sexual são: • Usar camisinha; • Não compartilhar materiais de manicure, lâminas de barbear ou depilar, escovas de dente e objetos cortantes ou perfurantes; • Exigir materiais descartáveis ou esterilizados em procedimentos odontológicos, médicos, tatuagens, etc; • Vacinar-se contra a hepatite B.

    More